Moradora do Santa Rosa II é acusada de homicídio usando o “Boa-noite, Cinderela”

Edição: 602 Publicado por: Redação em 20/06/2018 as 14:19

 
Leitura sugerida

Valença – Uma mulher foi presa na manhã de domingo, dia 17/6, sob a acusação de assassinato. Ela teria aplicado sonífero em um homem que a visitou em sua casa, no Condomínio Residencial Santa Rosa II. E depois, o teria agredido e deixado na rua. A Polícia investiga como ele teria ido parar no local onde seu corpo foi encontrado.

A reportagem do Jornal Local esteve no local, onde o corpo de um homem de cor negra, foi encontrado por populares, às margens da estrada do Contorno, no bairro Cambota. Apesar das primeiras suspeitas de que a vítima poderia ter sido atropelada, constatou-se na perícia que não havia indícios de possível atropelamento. No local já se encontrava a equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), que constatou o óbito. A vítima tinha visivelmente marcas de agressão e foi reconhecida como João Antônio Teixeira da Silva, 55 anos, morador de Juiz de Fora. Ele foi reconhecido por um parente, seu primo, que contou à Polícia que, na noite anterior, João Antônio estava na casa de Caroline A. M. Bitares, 35 anos, que reside na parte baixa do Condomínio.

A partir disso, a Polícia Militar começou a investigar o caso e após obterem informações importantes de testemunhas e populares, conseguiram prender a principal suspeita, que se encontrava deitada na cama. Na revista, os policiais encontraram na residência um par de tênis e uma meia que pertenciam à vítima. Questionado, um homem que mora com Caroline confessou que a mulher tem o hábito de colocar remédios nas bebidas das pessoas que vêm até sua casa o conhecido “Boa-noite, Cinderela”. Ele disse ainda que a presenciou colocando remédio na bebida de João, para poder subtrair certa quantia em espécie da carteira da vítima, além de tê-la visto agredindo a vítima.

O casal foi encaminhado para a 91ª Delegacia de Polícia para término de apuração dos fatos. Em depoimento, a mulher negou as acusações, mas seu companheiro voltou a afirmar que foi ela que dopou a vítima, colocando o medicamento Clonazepam na bebida. Caroline foi presa em flagrante, sendo enquadrada nos Artigos 121 e 157 do Código Penal. Após o trabalho da perícia técnica, o corpo foi removido para o Instituto Médico Legal (IML), para necrópsia. A ocorrência foi realizada pelas guarnições do subtenente Fábio, sargentos J. Carneiro e Paiva, cabos Wanderley, Forte e Chicarino (BOPM: 24742400/18 / RO: 91/1118/2018).

Galeria de imagens

0 comentários

avatar
Escreva seu comentário...
Seu nome...
Seu email...